Filipe Dias
Designer Gráfico e Ballaieiro
Um Brasil vergonhoso jamais visto
Um Brasil x Alemanha para ser lembrado pelo resto da vida. Como pode, "o país do futebol" ser surrado de tal forma? Esta pergunta levará anos para ter uma resposta, se é que terá.

A Copa no Brasil, foi abraçada pelo brasileiro de uma forma inesperada, um espetáculo nos estádios, grandes jogos, goleadas, surpresas como a Colômbia, Costa Rica e Argélia e decepções como Itália, Inglaterra e Portugal.
Bernard sentiu o peso da sua função em substituir Neymar e passou o jogo apagado.
A seleção brasileira veio superando suas dificuldades, de uma certa forma, até animando seus torcedores, pois chegara às semifinais dentro de casa e, estava há 1 passo de retornar ao Maracanã após a trajédia de 50. Mas o que se viu hoje, 8/7/14 foi o que será chamado no futuro de "o Massacre do Mineirão". Mas nem o torcedor mais alemão mais confiante, nem o argentino mais secador imaginaria 4 gols em 6 minutos, um placar histórico de 7 x 1, o pior de todos para o Brasil. Nunca a seleção havia sido derrotada de tal forma.
Não se pode dizer de hipótese alguma que as ausências de Thiago Silva e Neymar foram fundamentais para esse desastre. O primeiro indício que hoje seria um jogo estranho estava logo na escalação, quando a seleção entrou com 3 atacantes, deixando o meio campo desguarnecido. Portugal fez o mesmo e levou 4 na estréia alemã no mundial. Com o passar dos minutos, o jogo foi ganhando ares de crueldade com o apaixonado torcedor brasileiro. Os gols foram acontecendo, com uma facilidade incrível, sem a menor explicação.
O time não tinha, mais uma vez, um esquema tático definido. O meio campo foi facilmente dominado pelos alemães que foram eficientes e fecharam o primeiro tempo com 9 finalizações e 5 gols feitos.
A volta do segundo tempo não modificou o panorama do jogo, que foi levado de maneira mais branda e ainda assim os alemães fizeram mais dois gols. Aos 45" do segundo tempo, Oscar conseguiu fazer o gol de honra no jogo. Mas para que serviu este gol? Nada. Infelizmente nada. Vimos nossa própria torcida gritar "olé" quando os alemães estavam tocando bola e aplaudir os jogadores adversários pelas jogadas que terminaram em gols.
A lição deste episódio é que está mais que na hora do Brasil passar por uma reformulação completa, não só dos jogadores, mas sim de comissão técnica. Talvez seja a oportunidade de se convidar um estrangeiro para dirigir a seleção, para uma reciclagem de conhecimentos. Desta atual seleção, para alguns ainda há um futuro de continuar e disputar a Copa da Rússia. Para outros, a despedida está sendo de forma melancólica.
Nossa seleção, hoje, precisa de um líder verdadeiro. Jogadores com mais experiência ficaram de fora, como Kaká, Robinho e Ronaldinho Gaúcho e ficou claro que essa experiência fez falta. As apostas do Felipão não surtiram efeito e geraram críticas e mais críticas. Fred, Hulk, Bernard, Paulinho, Fernandinho, Daniel Alves e Oscar foram questionados pelas variadas atuações durante o torneio. O esquema tático da seleção, nesta copa nunca existiu, ao ponto dos zagueiros sempre insistirem em chutões para os atacantes e "seja o que Deus quiser".
Sábado terá a disputa do 3º lugar. Para o Brasil, para o brasileiro, ganhar este jogo é menos que prêmio de consolação, mas é necessário. Espero, como torcedor, que ao menos uma atitude digna para este jogo os jogadores tenham, joguem um futebol a altura das estrelas que carregam no peito e façam uma apresentação digna.
Desta forma triste, aguardamos o resultado para o jogo de amanhã, Holanda x Argentina, para ver quem vai ao Maracanã e quem vai ao Mané Garrincha.
Desenvolvido por DEC WebSites